Mulheres e poder: histórias, ideias e indicadores

Otras librerías

Mulheres e poder: histórias, ideias e indicadores

Hildete Pereira De Melo, Débora Thomé

2018
Editora FGV
Impreso:
9788522520350
192 páginas
Digital:
9788522520367
Otras librerías

A segunda década do século XXI recolocou o ativismo das mulheres, com força e garra, nas ruas, nas universidades, nas performances, na organização de coletivos. A cidadania feminina passou a ser vista como um ponto fundamental de garantia de uma democracia efetiva. Entre outros motivos, uma das razões para esse novo despertar se deu porque, apesar dos avanços na educação e no trabalho, nos estudos sobre as razões das discriminações de sexo, raça e identidades, persistem as evidências da desigualdade no mercado de trabalho e na família e a violência contra as mulheres.

Hildete Pereira de Melo. Doutora em economia e professora associada da Universidade Federal Fluminense, desde 1973. Ativista feminista desde 1976, foi junto com outras colegas introdutora dos estudos sobre as mulheres e relações de gênero na universidade brasileira na segunda metade dos anos 1970 e editora da Revista Gênero (UFF) de 2004 a 2017. Autora de livros, artigos e capítulos de livros sobre história, econômica, desenvolvimento e economia fluminense, história das mulheres, mercado de trabalho e relações de gênero. Participou nos últimos 48 anos das lutas narradas neste texto e orgulha-se de ser uma testemunha desta história.
Débora Thomé é escritora, mestre em ciência política e jornalista. Trabalha em várias frentes com temas que envolvem mulher e poder. Este é seu quarto livro. Antes dele, lançou O Bolsa Família e a social-democracia (2013), o infantil Minha amiga Mila (2016) e 50 Brasileiras incríveis para conhecer antes de crescer (2017). Entre 1998 e 2008, trabalhou como jornalista nos principais veículos de comunicação do país e posteriormente migrou para o mercado editorial. É fundadora do Mulheres Rodadas, primeiro bloco de carnaval feminista, que conquistou espaço na mídia internacional e contou com o apoio institucional da ONU Mulheres.